A matemática explica o amor

X, com todos os seus possíveis valores definidos no conjunto dos números reais R, amava apenas Y, e Y amava apenas X.

Porém, X não contava com o surgimento de uma terceira variável Z, com todas as suas tridimensionalidades e cálculos complexos cheios de potências de três.

Y não resistiu aos encantos de Z, e X levou o maior chifre da história da matemática. X sempre foi meio frio e calculista, e não suportaria viver esse triângulo escaleno amoroso...

Até hoje X espera o dia no qual a grande Resolução dos Sistemas de Equações Lineares virá e eliminará todas as variáveis indesejáveis, assim materializando seus devaneios solipsistas.